Apple, Notícias

iPhone 15 Ultra: inovação da Apple ou imitação do Android?

apple iphone 15 ultra CoopTec A Tua loja de Informática

A geração de smartphones Apple iPhone 15 está (ainda) a vários meses de distância. Se nada obstar à tradicional apresentação de outono da gigante de Cupertino, então teremos novos dispositivos móveis iOS em setembro de 2023. Até lá, contudo, os rumores cantam-nos as primeiras melodias com os possíveis contornos dos lançamentos para este ano.

Em particular, atentamos agora no relato avançado pelo leaker ShrimpApplePro, fonte que já no passado alinhou algumas notas que, posteriormente, se verificariam com a efetiva apresentação dos iPhone 14.

Dito isto, será um possível Apple iPhone 15 Ultra o mais promissor lançamento da marca, ou uma mera imitação dos smartphones Android?

Setembro de 2023 trará novos smartphones Apple iPhone

Apple iPhone 15 Ultra

O rumor foca-se sobretudo no ecrã escolhido e design geral, supostamente empregue, nos Apple iPhone 15.

Esta tese, em abono da verdade, já fora avançada em novembro último e volta agora a ser relançada, sugerindo que a Apple mudará não só o design da traseira, como também incorporará novos elementos de design para o ecrã.

O traço pode ser uma cópia de alguns elementos de smartphones Android como veremos em seguida.

Modelo Ultra para a gama iPhone 15 domina os rumores

Source described the iPhone 15 pro max(aka ultra) is very beautiful. With the thinner bezels and curved edges could create the same effect like on apple watch.

— ShrimpApplePro 🍤 (@VNchocoTaco) 21 de janeiro de 2023

Tal como avança o leaker ShrimpApplePro, a gama iPhone 15 manterá o tamanho geral dos atuais iPhone 14. Ou seja, teremos ecrãs com 6,1 e 6,7 polegadas de diagonal e essencialmente dois tamanhos já padronizados no alinhamento de telemóveis Apple.

De igual modo, teremos dois modelos convencionais com estas medidas, bem como dois modelos avançados premium, seguindo a mesma lógica.

A fonte em apreço indica uma redução substancial na moldura dos próximos iPhone, mitigando assim o impacto dos bezels nos dispositivos em questão. Além disso, a Apple poderá reduzir o tamanho geral dos smartphones sem reduzir os ecrãs.

Redução de margens sem diminuir o tamanho de ecrã nos iPhone 15

Apple iPhone 15 Ultra
Representação digital dos possíveis Apple iPhone 15 Ultra.

Tal como nos melhores smartphones Android, também a Apple deverá dedicar mais atenção na redução deste elemento. Desse modo, poderá inclusive criar telefones mais compactos, ainda que por meros milímetros, facilitando o seu uso com uma mão.

Esta fonte aponta também que todos os modelos terão ecrãs planos. Ou seja, nada de ecrãs com margens curvas que possam complicar o uso do smartphone, sobretudo perto da área lateral, propensa a toques acidentais.

Assim sendo, os Apple iPhone 15 seguiriam sobretudo o design dos atuais Apple Watch Series 8, também eles com ecrãs planos, porém com arestas e bezels ligeiramente curvos para atenuar o seu impacto visual e prático.

Inspiração provável pode melhorar a utilização dos iPhone 15

Apple iPhone 15 Ultra
Representação digital dos possíveis Apple iPhone 15 Ultra.

É precisamente esta a “imitação do Android”. Há já vários anos que as fabricantes Android implementam esta técnicas para reduzir o aspeto das margens, a moldura do ecrã e, ainda assim, manter um ecrã plano, de mais simples utilização.

Tome-se, por exemplo, o relógio Apple Watch Ultra, de ecrã plano, ainda que as suas margens sejam aí substanciais para reforçar a sua durabilidade. Não obstante, é apenas plausível que a Apple colha alguns dos aspetos que funcionam bem nos smartphones Android e os traga para os seus próximos iPhone 15 a chegar em setembro próximo.

Por fim, temos agora que aguardar pelo surgimento dos primeiros renders e leaks de modelos, esquemas e claro, do produto real.

Editores 4gnews recomendam:

  • Xiaomi Redmi Note 12 Turbo é o próximo smartphone sensação para a Europa
  • Smartphone bom e barato até 200 €? A resposta é este smartphone Xiaomi
  • Microsoft terá organizado concerto intimista em Davos antes de despedir 10 mil funcionários